Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Tropas de choque em confronto com manifestantes durante protesto contra presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em San Cristobal. REUTERS/Carlos Eduardo Ramirez

(reuters_tickers)

Por Anthony Esposito

CANCÚN, México (Reuters) - A Organização dos Estados Americanos (OEA) não conseguiu emitir uma declaração formal condenando o governo da Venezuela pela maneira como está tratando da crise política e econômica no país, apesar de um esforço de última hora do México e dos Estados Unidos na noite de quarta-feira.

Mas países-membros, inclusive o México, se comprometeram a insistir no assunto até que a crise na Venezuela, onde ao menos 75 pessoas morreram em mais de dois meses de protestos, seja resolvida pacificamente.

"A posição do México quanto à Venezuela é uma posição que não irá vacilar, é uma posição que diz que a democracia representativa é a única forma de governo aceitável no hemisfério ocidental", disse o ministro das Relações Exteriores mexicano, Luis Videgaray, a repórteres.

Os opositores do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, o acusam de estar levando o país rumo a uma ditadura ao adiar eleições, prender ativistas da oposição e pressionar por uma reforma da Constituição.

Videgaray e o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, renovaram os clamores para que Caracas estabeleça um cronograma eleitoral, respeite os direitos humanos, liberte prisioneiros políticos, permita a atuação de um judiciário independente e respeite a autonomia da legislatura.

Os chanceleres das 34 nações da OEA não conseguiram acordar uma resolução repreendendo a Venezuela formalmente, mesmo depois de o tema ocupar a maior parte dos três dias de sua Assembleia-Geral em Cancún, no México.

Um esforço de um grupo de nações, liderado por EUA, México e aliados regionais, para incluir uma declaração sobre a Venezuela em uma resolução mais genérica sobre direitos humanos também fracassou.

Durante as sessões da entidade, a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, combateu as tentativas de repreender sua nação, acusando aliados de Washington de serem "lacaios do imperialismo".

Rodríguez deixou o cargo na quarta-feira para disputar uma vaga em uma polêmica Assembleia Constituinte da Venezuela, e foi elogiada por Maduro por ser um "tigre" em sua defesa aguerrida do governo socialista.

Vinte Estados votaram a favor do esboço de resolução criticando Caracas na segunda-feira, abaixo dos 23 votos, ou uma maioria de dois terços, necessários.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters