Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Steve Holland

TÓQUIO (Reuters) - O presidente norte-americano, Donald Trump, elevou o tom de sua dura retórica contra a Coreia do Norte ao desembarcar no Japão neste domingo, dizendo que os Estados Unidos e seus aliados estão prontos para defender a liberdade e que "nenhum ditador" deveria subestimar a determinação de seu país.

Trump deu a largada a uma viagem de 12 dias pela Ásia, na qual busca enfatizar a aliança com o Japão contra a Coreia do Norte por meio de encontros com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, em meio a crescentes tensões sobre os testes nucleares e de mísseis de Pyongyang.

O presidente norte-americano ainda disse a repórteres a bordo do Força Aérea 1 que a Coreia do Norte figuraria proeminente nas discussões, e ainda destacou questões comerciais, que segundo ele foram "mal administradas" na região por anos.

Trump chocou alguns aliados com sua promessa de "destruir totalmente" a Coreia do Norte se o país ameaçar os Estados Unidos e ao descrever o líder norte-coreano, Kim Jong Un, como um "homem foguete" em uma missão suicida.

Na semana passada, um importante assessor de Trump disse que ele pretendia dizer a líderes asiáticos que o prazo para o mundo lidar com a crise nuclear na península coreana está se esgotando.

"Nenhum ditador, nenhum regime, nenhuma nação deveria subestimar a determinação americana", afirmou Trump a centenas de tropas japonesas e norte-americanas em uniformes camuflados reunidas na Base Aérea Yokota, ao oeste de Tóquio, logo após sua chegada ao Japão.

"De vez em quando, no passado, eles nos subestimaram. Não foi agradável para eles, foi?", disse Trump às tropas.

(Reportagem adicional de Christopher Gallagher)

((Tradução Redação São Paulo; 55 11 56447553))

REUTERS GM

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters