Navigation

Na véspera de resultados eleitorais, candidato afegão adverte rival

Este conteúdo foi publicado em 06. julho 2014 - 16:39

CABUL (Reuters) - O candidato à presidência do Afeganistão Abdullah Abdullah advertiu seu rival neste domingo que se recusará a aceitar o resultado das problemáticas eleições do país a menos que veja evidências firmes de que a votação foi completamente livre de fraude.

O alerta, na véspera da divulgação dos resultados preliminares, prepara o caminho para um confronto possivelmente violento com o rival Ashraf Ghani, num impasse que ameaça dividir o país frágil ao longo de linhas étnicas.

Os problemas no segundo turno disputado em 14 de junho já esmagaram as esperanças por uma transição tranquila do poder afegão. É uma dor de cabeça para o ocidente, enquanto a maioria das forças lideradas pelos Estados Unidos continua a deixar o país neste ano.

"Ninguém duvida de que houve fraude na eleição do Afeganistão. Houve fraude massiva e organizada", disse Abdullah, de forma confiante, em entrevista coletiva.

"Apenas quando os votos limpos forem separados dos votos inválidos colocados por indivíduos nas urnas, aceitaremos o resultado", acrescentou.

(Reportagem de Maria Golovnina e Mirwais Harooni)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.