Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Estela de Carlotto conversa com seu neto Ignacio Hurban durante entrevista em Buenos Aires. REUTERS/Marcos Brindicci

(reuters_tickers)

BUENOS AIRES (Reuters) - O neto de Estela de Carlotto, a presidente do movimento Avós da Praça de Maio, disse nesta sexta-feira que ainda está emocionado após descobrir, nesta semana, aos 36 anos de idade, sua verdadeira identidade como filho de desaparecidos na ditadura.

Ignacio Hurban, que até terça-feira não sabia que era Guido Montoya Carlotto, o neto da mulher que há décadas lidera a busca de crianças sequestradas na última ditadura, está emocionado, mas ainda confuso após a notícia.

Em uma entrevista coletiva concedida em Buenos Aires junto à sua avó, Hurban disse que a sua vida está "bastante convulsionada".

"Estou um pouco emocionado... parece maravilhoso e mágico tudo isso que está acontecendo. Estou aproveitando, mas o que eu mais gosto é a felicidade dos demais", disse o 114º neto recuperado pelo grupo social Avós da Praça de Maio.

O neto de Carlotto nasceu durante o cativeiro de sua mãe em um centro prisional clandestino em junho de 1978, foi recolhido poucas horas depois de nascer e recebeu outra identidade. Sua mãe foi assassinada pelos repressores.

Apesar de dizer que prefere a verdade acima de tudo, Hurban (ou Montoya Carlotto) destacou que gostaria de manter o único nome que tinha até esta semana.

"Estou acostumado com meu nome Ignacio e vou continuar conservando ele", afirmou.

A ditadura militar que governou o país entre 1976 e 1983 sequestrou, torturou e assassinou cerca de 30 mil pessoas, segundo organizações de direitos humanos.

Segundo o movimento Avós da Praça de Maio, ainda há quase 400 filhos de desaparecidos sem saber a sua verdadeira identidade.

(Reportagem de Nicolás Misculin)

Reuters