Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Casal no Central Park em Nova York. 9/2/2017. REUTERS/Mike Segar

(reuters_tickers)

Por Scott Malone e Gina Cherelus

BOSTON/NOVA YORK (Reuters) - A mais severa nevasca do inverno atingiu o nordeste dos Estados Unidos nesta quinta-feira, provocando a morte de pelo menos duas pessoas e forçando o cancelamento de milhares de voos e o fechamentos de escolas.

A tempestade, que ocorre um dia após temperaturas relativamente altas para a estação (entre 10 e 16 graus Celsius), levou ventos de até 80 km/h e deixou vias e calçadas perigosamente escorregadias em cidades densamente povoadas como Nova York, Boston e Filadélfia.

Os ventos da tempestade chegaram até Virgínia, onde um motorista de caminhão morreu depois que seu trator-reboque foi levado para fora da ponte da baía de Chesapeake, disse Tom Anderson, vice-diretor da instalação, em uma entrevista por telefone.

Um porteiro da cidade de Nova York morreu ao escorregar e cair por um lance de escadas, caindo em uma janela que cortou seu pescoço, informou a polícia.

Algumas áreas registraram períodos de neve forte acompanhada de raios. Vias litorâneas em Boston foram fechadas por causa de ondas fortes que inundaram as pistas.

Todos os voos no aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, foram interrompidos devido à intensidade da tempestade. Mais de metade dos voos chegando ou partindo dos três principais aeroportos da área de Nova York, assim como no aeroporto de Logan, em Boston, foi cancelada.

Em âmbito nacional, cerca de 3.200 voos foram cancelados, de acordo com o Flightaware.com.

"Essa é uma tempestade com força e intensidade fora do comum", disse o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, a repórteres. "Não dirijam hoje... As condições são muito difíceis lá fora. Muito difícil se locomover."

Nova York deve registrar de 25 a 36 centímetros de neve, e Boston um volume ainda maior.

Muitas escolas permaneceram fechadas na região, incluindo em Boston, Filadélfia e Nova York, que possui o maior sistema educacional do país com mais de 1 milhão de estudantes.

Reuters