Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Neve na Times Square, Nova York. 09/02/2017 REUTERS/Andrew Kelly

(reuters_tickers)

Por Scott Malone e Joseph Ax

BOSTON/NOVA YORK (Reuters) - A pior tempestade vista no nordeste dos Estados Unidos neste ano está se aproximando da região nesta quinta-feira, obrigando as escolas das maiores cidades a cancelarem aulas e as empresas aéreas a impedir milhares de voos.

Os meteorologistas preveem que a tempestade pode causar mais de 30 centímetros de neve e rajadas de vento de até 80 quilômetros por hora da Pensilvânia ao Maine.

Escolas da cidade de Nova York – o maior sistema de escolas públicas do país, com mais de um milhão de estudantes – fecharam as portas nesta quinta-feira, assim como alguns distritos de Boston e da Filadélfia.

Mais de 2.700 voos partindo e chegando à região também foram cancelados, de acordo com o site Flightaware.com, e as companhias instruíram os passageiros a verificar a situação de seus voos antes de se dirigiram para o aeroporto.

Alertas de nevasca estavam em vigor no extremo leste de Long Island, Cape Cod, Massachusetts e na ilha de Nantucket.

"Começou cedo. Preparando-me para sair e enfrentar a tempestade de neve para poder fazer o que preciso", tuitou Andy Quayle, profissional de TI da cidade de Nova York.

Como se espera que a tempestade provoque até 8 centímetros de neve por hora e comece antes do horário de pico matinal e dure até a noite, os prefeitos de grandes cidades, entre elas Nova York e Boston, alertaram os moradores para que fiquem longe das vias.

"A visibilidade irá se tornar precária e as condições ficarão impraticáveis em alguns momentos. Aqueles que se aventurarem do lado de fora podem ficar perdidos ou desorientados. Então recomendamos enfaticamente que as pessoas na área de alerta fiquem em casa", disse o Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA em um boletim.

As temperaturas devem cair para -12,8°C de noite na área de Boston.

Reuters