Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ex-presidente do Parlamento europeu, Martin Schulz, fala com repórteres após reunião do Partido Social Democrata (SPD) em Berlim, na Alemanha 25/01/2017 REUTERS/Fabrizio Bensch

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - O número de eleitores alemães que votaria no novo líder social-democrata Martin Schulz é similar ao de que votariam na conservadora Angela Merkel na eleição direta para chanceler, mostrou pesquisa publicada no final da quarta-feira, oito meses antes da eleição federal de setembro.

A pesquisa do Infratest dimap para a emissora de TV ARD, realizada na quarta-feira, colocou os dois com 41 por cento das intenções de voto, e o apoio a Merkel caiu dois pontos em relação a setembro, enquanto o de Schulz subiu cinco pontos.

O Partido Social-Democrata (SPD) indicou Schulz, ex-presidente do Parlamento europeu, na terça para concorrer contra Merkel, depois que Sigmar Gabriel anunciou que desistiria de tentar concorrer para aumentar as chances do partido. Schulz será apontado formalmente líder dos sociais-democratas no domingo.

A pesquisa apontou que a União Democrata-Cristã, de Merkel, e seu aliado bávaro CSU teriam 35 por cento dos votos, dois pontos a menos que na pesquisa anterior.

O SPD ficaria com 23 por cento, um aumento de três pontos percentuais que os pesquisadores disseram que, provavelmente, se deve à notícia sobre Schulz.

O ambientalista Partido Verde manteria seu apoio em 9 por cento e o anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD) somando 14 por cento, um ponto a menos que na sondagem anterior.

O partido Esquerda teria 8 por cento dos votos, enquanto o Partido Livre Democrático ficaria com 6 por cento, de acordo com a pesquisa.

(Reportagem de Madeline Chambers)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters