Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, durante telefonema com presidente da China, Xi Jinping, em Seul. 11/05/2017 Blue House/Yonhap via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Ju-min Park e Christine Kim

SEUL (Reuters) - O novo presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse ao líder chinês, Xi Jinping, nesta quinta-feira, que a Coreia do Norte precisa parar de fazer provocações para que as tensões sobre a instalação de um sistema de defesa antimísseis dos Estados Unidos em território sul-coreano sejam resolvidas, de acordo com autoridades.

Moon chegou ao poder com a promessa de rever a instalação do sistema antimísseis Thaad, cuja instalação tem a oposição da China mas que está sendo implantando na Coreia do Sul como uma demonstração de força contra as contínuas provocações do Norte.

No primeiro contato direto entre os dois líderes, Xi explicou a posição da China, disse Yoon Young-chan, porta-voz do gabinete presidencial sul-coreano, sem fornecer detalhes.

A China se opõe firmemente à instalação do sistema de defesa, afirmando que desestabiliza o equilíbrio na segurança regional, e tem agido timidamente para limitar a ameaça representada pelos programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte, que têm sido testados por Pyongyang em desafio a pressão dos EUA e sanções da ONU.

"O presidente Moon disse que compreende o interesse da China na instalação do Thaad e suas preocupações, e disse que espera que os dois países possam rapidamente ingressar em comunicações para melhorar o compreendimento mútuo", afirmou Yoon a repórteres.

"O presidente Moon disse que a questão do Thaad pode ser resolvida quando não houve mais provocação da Coreia do Norte", disse Yoon.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters