Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, em Rukla, na Lituânia 25/08/2017 REUTERS/Ints Kalnins

(reuters_tickers)

Por Paul Carrel

BERLIM (Reuters) - A eleição nacional da Alemanha do mês passado mostrou que o país está dividido por novos e menos visíveis "muros", disse o presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, nesta terça-feira, no aniversário da reunificação alemã.

Falando 27 anos depois que Alemanha Oriental e Alemanha Ocidental foram reunificadas após a queda do muro de Berlim, em 1989, Steinmeier disse que a eleição, que viu a extrema-direita ingressar no Parlamento, expôs "grandes e pequenas rachaduras" na sociedade, e pediu que os parlamentares trabalhem juntos para combater qualquer retorno ao nacionalismo.

"No dia 24 de setembro, ficou claro que outros muros emergiram, menos visíveis, sem arame farpado e faixas da morte, mas muros que ficam no caminho do nosso senso comum de 'nós'", disse Steinmeier, durante discurso na cidade de Mainz.

A chanceler Angela Merkel foi eleita para um quarto mandato na eleição, mas a votação levou um partido de extrema-direita ao Parlamento pela primeira vez em mais de meio século.

Além disso, uma votação dividida significa que Merkel precisará governar com uma coalizão muito menos estável do que a que tinha até agora.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters