Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta segunda-feira que uma situação política instável no Irã pode estar complicando os esforços para selar um acordo de combustível nuclear entre Teerã e as grandes potências.
Obama disse em entrevista à Reuters que os EUA tinham feito mais progresso em direção a um mundo sem proliferação de armas nucleares nos últimos meses do que nos últimos anos.
"Mas vai levar tempo, e parte do desafio que enfrentamos é que nem a Coreia do Norte nem o Irã parecem estar estáveis politicamente para tomar decisões rápidas sobre essas questões", disse ele em entrevista feita na Casa Branca.
Obama disse que EUA, Rússia, China, Alemanha, Grã-Bretanha e França fizeram uma oferta "justa" ao Irã que permitirá ao país islâmico ter um programa nuclear civil legítimo ao mesmo tempo em que acabava com as suspeitas de que ele estivesse buscando construir armas atômicas.
O Irã afirma que seu programa nuclear tem propósitos puramente civis.
A proposta feita pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) pede que o Irã transfira cerca de 75 por cento de 1,5 tonelada métrica de urânio de baixo enriquecimento para a Rússia, onde seria enriquecido até o fim do ano.
O produto, então, seria enviado para a França, onde seria convertido em placas de combustível para um reator em Teerã que produz isótopos de rádio para o tratamento do câncer.
Em conversas com as seis potências mundiais em Genebra em 1o de outubro, o Irã concordou com a proposta. Mas o acordo está parado desde então por detalhes.
"Embora até agora não tenhamos visto o tipo de resposta positiva que queremos do Irã, estamos tão bem posicionados como nunca estivemos para alinhar a comunidade internacional em torno desta agenda", disse Obama.
(Reportagem de Caren Bohan e Ross Colvin)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters