Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente norte-americano, Barack Obama, assina o livro de condolências na embaixada da Holanda, ao lado do vice-chefe da missão diplomática, Peter Mollema, em Washington, nos Estados Unidos, nesta terça-feira. 22/07/2014 REUTERS/Joshua Roberts

(reuters_tickers)

Por Roberta Rampton e Steve Holland

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos não descansarão até que a justiça seja feita no caso da derrubada do avião da Malaysia Airlines sobre o leste da Ucrânia, prometeu o presidente norte-americano, Barack Obama, no livro de condolências das vítimas nesta terça-feira.

Obama visitou a embaixada da Holanda, em Washington, para assinar o livro. Das 298 pessoas mortas no incidente de 17 de julho sobre uma área controlada por separatistas pró-Rússia, 193 eram holandesas.

“Não há palavras para expressar adequadamente a tristeza que o mundo sente com esta perda, e os profundos laços de amizade entre nossos dois países a tornam ainda mais contundente”, escreveu o mandatário no livro.

“Unidos por esta amizade, não descansaremos até termos certeza de que a justiça foi feita”, acrescentou.

A Casa Branca declarou que os EUA receberam bem as notícias de que os restos mortais das vítimas e as caixas-pretas do avião estão sendo transferidos para a Holanda.

Mas o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse a repórteres: “Não acho que ainda tenhamos visto o nível de cooperação com investigadores internacionais que gostaríamos de ver".

Os investigadores ainda precisam ter acesso irrestrito ao local da queda, afirmou Earnest.

Nesta terça-feira, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que seu país tentará fazer com que os separatistas ucranianos cooperem com a investigação sobre a queda, mas que o Ocidente precisa fazer mais para persuadir o governo da Ucrânia a encerrar as hostilidades.

Em um boletim à imprensa, Earnest pediu que Putin cumpra seu compromisso de intervir com os rebeldes no inquérito e foi mais além, afirmando que “realmente precisamos que a Rússia demonstre algum respeito pela integridade territorial da Ucrânia”.

Mais tarde, Obama partiu para uma viagem de três dias para os Estados de Washington e Califórnia que será pautada por eventos de arrecadação para candidatos democratas ao Congresso.

Atento às preocupações de que Obama possa enviar a mensagem errada deixando a capital durante as crises envolvendo a Ucrânia e Israel, Earnest avisou que a participação de Obama no programa de variedades "Jimmy Kimmel Live" foi cancelada.

O porta-voz se desviou de perguntas sobre a viagem de Obama, dizendo que o presidente é capaz de desempenhar suas tarefas mesmo em viagem.

“Se fizermos algumas alterações no calendário, elas refletirão a necessidade do presidente de reorganizar o calendário para poder cumprir suas funções como comandante-em-chefe”, afirmou Earnest.

Reuters