Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes marcham durante protesto pela morte de jovem negro Michael Brown em Ferguson, nos EUA. 12/08/2014 REUTERS/Mario Anzuoni

(reuters_tickers)

Por Nick Carey

FERGUSON Estados Unidos (Reuters) - O presidente dos EUA, Barack Obama, classificou nesta terça-feira a morte de um jovem negro desarmado pela polícia como tragédia, e pediu uma resposta ponderada após duas noites de protestos violentos, saques e detenções em um subúrbio da cidade de St. Louis.

Mas, nas primeiras horas desta quarta-feira (horário local), um policial atirou e feriu gravemente um homem que sacou uma arma perto do local dos protestos, relatou o jornal St. Louis Post-Dispatch, citando um porta-voz da polícia. 

Oficiais do departamento de polícia de St. Louis responderam, durante a madrugada, a relatos de que quatro ou cinco homens portavam armas e vestiam balaclavas. Eles encontraram “diversos suspeitos correndo”, disse o porta-voz da polícia, Brian Schellman.

Um deles puxou uma arma contra um oficial, que atirou contra ele. O homem foi levado para um hospital da região. 

Pouco após a meia-noite, a polícia disparou gás lacrimogêneo contra manifestantes que confrontaram um cordão de policiais após uma multidão ainda maior ter se dispersado, disse Schellman.

Uma fotografia no St. Louis Post-Dispatch mostrou um manifestante utilizando uma camiseta com a bandeira norte-americana jogando uma lata de gás lacrimogêneo de volta contra a polícia.

Obama prometeu uma total investigação do Departamento de Justiça dos EUA sobre a morte do adolescente, um episódio que causou indignação na cidade de Ferguson, de maioria afro-americana.

“Eu sei que os eventos dos últimos dias afloraram fortes sentimentos, mas... eu peço que todos em Ferguson, Missouri, e em todo o país, se lembrem deste jovem através da reflexão e da compreensão”, disse Obama em um comunicado. 

Amigos e familiares do jovem Michael Brown, de 18 anos, realizaram uma vigília na igreja na noite de terça-feira, após seu pai ter pedido pelo fim da violência. Ao lado de apoiadores, incluindo o reverendo Al Sharpton, Michael Brown Sr. disse querer justiça para seu filho, mas que ela seja feita “do jeito certo”. 

“Eu preciso que todos nós fiquemos juntos e façamos isso certo, do jeito certo”, disse Brown Sr., que vestia uma camiseta com a foto de seu filho quando bebê. “Sem violência."

Também na quarta-feira, uma mulher levou um tiro na cabeça perto da área onde Brown foi morto. Sua condição de saúde é desconhecida ou não se sabe se o episódio tem ligação com os protestos, disse Schellman. 

(Reportagem adicional de Mary Wisniewski, em Chicago, e Carey Gillam, em Ferguson, Missouri)

Reuters