Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

PEQUIM (Reuters) - O presidente dos EUA, Barack Obama, tirou tempo de sua programação diplomática agitada na China para encontrar seu meio-irmão, que vive no sul do país, mas por apenas cinco minutos.
Um funcionário da Casa Branca disse que, na noite de segunda-feira em Pequim, Obama teve um encontro rápido com Mark Okoth Obama Ndesandjo, filho de seu pai, já falecido.
Ndesandjo vem mantendo discrição desde que, no ano passado, veio à tona o fato de que vive e trabalha em Shenzhen, centro capitalista e manufatureiro do sul da China, a cerca de uma hora de trem de Hong Kong.
Ele fez uma rara aparição pública no início deste mês em Guangzhou, no sul da China, para lançar um romance que, segundo afirmou, é inspirado em sua infância dolorosa, marcada por um pai violento.
Em entrevista à CNN, Obama disse que não conhece seu meio-irmão muito bem, mas que não acha que Ndesandjo tenha traído detalhes familiares particulares em seu livro.
"Não é segredo o fato de que meu pai foi uma pessoa problemática. Qualquer pessoa que tenha lido meu primeiro livro, 'A Origem dos Meus Sonhos', sabe que ele tinha um problema de alcoolismo e que não tratava seus familiares muito bem", disse o presidente.
"E isso, obviamente, é uma parte triste de minha história. Mas não passo muito tempo matutando sobre isso."
O último encontro anterior de Ndesandjo com Obama tinha sido nos Estados Unidos durante a eleição presidencial, segundo a agência de notícias estatal chinesa, Xinhua.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters