Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama e ex-primeira-dama Michelle Obama. 25/09/2015 REUTERS/Mike Theiler/File Photo

(reuters_tickers)

(Reuters) - A editora Penguin Random House informou na terça-feira que fechou um acordo para publicar dois livros do ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama e da ex-primeira-dama Michelle Obama, sendo um volume escrito por cada.

Os termos do acordo, sob qual a Penguin Random House adquiriu direitos de publicação internacional pelos dois livros, não foram divulgados.

Mantendo práticas passadas, a família Obama planeja doar uma "porção significativa dos rendimentos autorais à caridade", incluindo a Obama Foundation, informou a editora em comunicado.

O acordo foi feito após um intenso leilão pelos direitos globais dos dois livros, com lances de mais de 60 milhões de dólares, uma quantia recorde para memórias presidenciais norte-americanas, relatou o Financial Times, citando pessoas com conhecimento das negociações.

O ex-presidente Bill Clinton recebeu 15 milhões de dólares em direitos por sua memória de 2004 "Minha Vida" após deixar a Presidência, enquanto o antecessor imediato de Obama, George W. Bush, recebeu 10 milhões de dólares por seu livro, de acordo com o Financial Times. Estes livros foram publicados pela divisão Knopf da Penguin Random House e pela Crown, respectivamente.

A Penguin Random House também publicou os três livros anteriores de Obama: "Dreams of My Father", "The Audacity of Hope" e "Of Thee I Sing: A Letter to My Daughters".

A companhia não divulgou o assunto dos dois próximos livros, ou uma data para publicação, mas eles provavelmente irão cobrir o tempo de Obama na Casa Branca como o primeiro presidente negro dos Estados Unidos.

(Reportagem de Piya Sinha-Roy e Steve Gorman)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters