Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Partidária do líder de oposição do Quênia, Raila Odinga, durante protesto em Nairóbi 10/08/2017 REUTERS/Thomas Mukoya

(reuters_tickers)

Por George Obulutsa e Andrew Njugna

NAIRÓBI (Reuters) - Observadores internacionais elogiaram nesta quinta-feira a eleição presidencial do Quênia, e a missão da União Europeia disse não ter visto sinais de manipulação, apesar das queixas da oposição e de protestos isolados.

A polícia lançou gás lacrimogêneo ao entrar em confronto com manifestantes da oposição em um bairro de Nairóbi, mas a maior parte da capital e o restante do país estavam calmos mesmo depois de quatro pessoas terem morrido em episódios de violência na quarta-feira.

O presidente Uhuru Kenyatta obteve uma vantagem considerável, mas seu rival, o veterano líder opositor Raila Odinga, rejeitou os resultados eletrônicos parciais, dizendo que as cifras divulgadas até agora são "fictícias" e que os sistemas de computadores da eleição foram invadidos.

Enquanto esperam que os números finais sejam contados e confirmados, muitos quenianos estão temerosos de uma repetição dos confrontos que mataram cerca de 1.200 pessoas após a eleição contestada de 2007.

Em sua primeira avaliação do pleito de terça-feira, a missão de observação eleitoral da UE disse não ter visto indícios de "manipulação centralizada ou localizada" do processo de votação.

Marietje Schaake, chefe da missão, disse que a UE providenciará uma análise do processo de apuração dos votos em um relatório posterior.

Os resultados provisórios divulgados pela comissão eleitoral mostravam Kenyatta na liderança com 54,3 por cento dos votos e Odinga com 44,8 por cento --uma margem de 1,4 milhão de votos com 97 por cento das urnas apuradas.

A comissão eleitoral do Quênia disse que espera ter todos os resultados consolidados até o meio-dia de sexta-feira e que irá anunciar o vencedor pouco depois disso. O organismo confirmou que houve uma tentativa fracassada de invadir seu sistema.

Reuters