Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Peter Graff
CABUL (Reuters) - Os países ocidentais precisam aceitar que são parcialmente culpados pela corrupção no Afeganistão e também deveriam dar mais crédito ao governo do presidente Hamid Karzai pelas melhoras recentes no combate à corrupção, disse o ministro das Finanças afegão.
Uma eleição maculada por fraudes jogou por terra a reputação de Karzai entre os países que financiam e defendem seu governo, azedando suas relações com o Ocidente ao grau mais alto dos oito anos que já dura seu governo.
O ministro das Finanças, Hazrat Omar Zakhilwal, reconheceu a corrupção no Afeganistão, mas disse que os líderes ocidentais foram levados por questões políticas domésticas a assumir uma postura especialmente intransigente em relação a isso nos últimos meses, distorcendo um histórico afegão que, na realidade, revela avanços feitos este ano.
"Não importa o que o presidente faça, não importa o que façam seus ministros com respeito à corrupção, eles continuarão a dizer 'bem, o governo é corrupto, os ministros são corruptos' e assim por diante," disse Zakhilwal à Reuters em entrevista.
Zakhilwal citou seu próprio ministério, que, afirmou, elevou as receitas do governo em 60 por cento este ano, reprimindo a sonegação de impostos e as fraudes alfandegárias.
"Isso significa que a corrupção certamente diminuiu. Grandes casos foram investigados e descobertos. Pessoas foram afastadas de seus cargos e julgadas. Isso é um avanço. Mas o reflexo visto nas declarações públicas é como se a situação tivesse se agravado, sendo que o inverso é verdade: as coisas vêm melhorando," disse.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters