Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Peter Apps

WASHINGTON (Reuters) - Se a Rússia e a Ucrânia entrarem em guerra franca, os Estados Unidos e seus aliados terão difíceis escolhas pela frente sobre como ajudar um país amigo, mas que eles não querem dentro daOrganização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Em um ato visto como um dos mais graves desde o início dos conflitos, a Ucrânia afirmou ter destruído um comboio de veículos armados que entraram no território a partir da Rússia.

Moscou classificou os relatos como “fantasia”. A Otan confirmou o que chamou de “incursão”. A Ucrânia não especificou se os veículos eram conduzidos por tropas russas ou rebeldes separatistas, e não ficou claro se a Rússia responderia.

Se Moscou tomar alguma ação contra os membros da Otan, issoinevitavelmente acionaria a cláusula 5, de defesa mútua da aliança, levando a uma guerra. A Ucrânia, contudo, não é um país-membro, e autoridades do Ocidente dizem que nem está perto de ser.

Os EUA e outras nações passaram os últimos cinco meses criticando as ações do governo russo, comandado por Vladimir Putin e descrevendo suas ações como inaceitáveis. Eles acusam Moscou de armar os rebeldes, algo negado pelo Kremlin.

A realidade, no entanto, é que EUA e países europeus querem evitar um confronto potencialmente nuclear com os russos.

Uma ação direta dos países da Otan permanece fora de cogitação, dizem autoridades atuais e antigas.

“O Ocidente já está pressionando até o limite e fazendo o que julga possível sem entrar em um confronto sério com a Rússia”, afirmou Samuel Charap, ex-autoridade do Departamento de Estado norte-americano e agora membro sênior do International Institute for Strategic Studies.

“Podem haver mais sanções. Pode haver mais apoio aos ucranianos, mas além disso eu realmente não vejo os EUA fazendo muito mais.”

(Reportagem adicional de Warren Strobel)

Reuters