Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Eyanir Chinea e Efrain Otero

CARACAS (Reuters) - Oito pessoas foram eletrocutadas durante um incidente de saques em Caracas, disse um bombeiro nesta sexta-feira, em meio a violentos protestos contra o presidente venezuelano, Nicolas Maduro, com opositores acusando-o de tentar criar uma ditadura.

O acidente ocorreu quando um grupo de saqueadores invadiu uma padaria no bairro de El Valle, de acordo com o bombeiro, que pediu anonimato. Não foi possível confirmar imediatamente os detalhes do incidente com o hospital ou outros funcionários.

O Ministério Público disse na sexta-feira que está investigando 11 mortes em El Valle, acrescentando que "algumas" vítimas morreram ao serem eletrocutadas.

Nove pessoas foram mortas na violência associada a uma onda de manifestações anti-governo nas últimas três semanas em que manifestantes entraram em confronto com as forças de segurança.

Dezenas de empresas na área de El Valle mostraram sinais de saque, que vão desde prateleiras vazias até janelas quebradas e portões de entrada de metal torcido.

O Ministério da Informação não respondeu imediatamente a um pedido de detalhes.

As forças de segurança patrulharam grande parte de Caracas na sexta-feira, incluindo El Valle.

O governo de Maduro está resistindo até agora à pressão dos protestos mais sérios em três anos, com líderes da oposição fazendo uma série de demandas políticas, atraindo o apoio de um público irritado com a economia do país em colapso.

Os dirigentes do partido socialista descrevem os manifestantes como bandidos que estão prejudicando a propriedade pública e perturbando a ordem pública para derrubar o governo com o apoio de adversários ideológicos em Washington.

Os líderes da oposição prometeram manter seus protestos, exigindo que o governo de Maduro convoque eleições gerais, liberte quase 100 ativistas da oposição e respeitem a autonomia do Congresso liderado pela oposição.

A economia venezuelana está em queda livre desde o colapso dos preços do petróleo em 2014. O generoso programa de bem-estar financiado pelo petróleo criado pelo líder socialista Hugo Chávez, antecessor de Maduro, deu lugar a uma economia marcada pela escassez de produtos e inflação de três dígitos.

A raiva pública com a situação cresceu no mês passado quando a Suprema Corte, tida como próxima do governo, assumiu poderes do Congresso. Os protestos foram cresceram quando o governo impediu que o líder da oposição, o candidato presidencial duas vezes Henrique Capriles, de ocupar cargo público.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters