Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Stephanie Nebehay
GENEBRA (Reuters) - A Organização Mundial da Saúde (OMS) está investigando relatos na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos sobre casos de resistência do vírus H1N1 ao Tamiflu em pessoas com o sistema imunológico severamente suprimido, disse um porta-voz nesta terça-feira.
A Agência de Proteção à Saúde da Grã-bretanha (HPA, na sigla em inglês) disse que cinco casos foram confirmados no País de Gales de pacientes infectados com o H1N1 resistentes ao oseltamivir -- o nome genérico do Tamiflu.
Os pacientes enfrentaram sérias condições de saúde que reprimiram seus sistemas imunológicos, o que pode dar ao vírus uma oportunidade maior que a habitual para desenvolver resistência, disse a HPA. O órgão informou que o vírus resistente ao medicamento provavelmente foi transmitido de pessoa para pessoa.
"Temos visto os relatos, necessitamos investigá-los", disse o porta-voz da OMS, Thomas Abraham, em Genebra.
O Centro para Controle e Prevenção de Doenças nos EUA também registrou, na semana passada, quatro casos de H1N1 resistentes ao Tamiflu na Carolina do Norte. Todos estariam em estado crítico com o sistema imunológico comprometido e outras condições médicas complexas.
O porta-voz da OMS disse que os dois relatórios envolveram resistência ao Tamiflu em pessoas com sistema imunológico gravemente comprometido.
"Veremos se podemos adotar alguma medida adicional para proteger esse grupo de pacientes. Pode significar que eles estão sob maior risco do que os outros", afirmou Abraham.
Pessoas com o sistema imunológico suprimido, como aqueles em tratamento quimioterápico ou infectados com o vírus HIV, são mais propensos às infecções.
A OMS havia registrado anteriormente casos de vírus pandêmicos resistentes ao oseltamivir, mas disse que estes casos são raros.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters