Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Ellen Wulfhorst

NOVA YORK (Thomson Reuters Foundation) - A avalanche de histórias de assédio e abuso sexual surgidas após as alegações contra o produtor de cinema Harvey Weinstein podem fortalecer campanhas que pedem que a extorsão sexual se torne ilegal, disseram ativistas que tentam mudar as leis dos Estados Unidos.

A chamada 'sextorsão' – uma forma de extorsão que envolve atos ou imagens sexuais como moeda – não é reconhecida pela legislação criminal de muitos Estados norte-americanos, e muitas vezes suas vítimas têm pouca ou nenhuma opção, afirmam especialistas.

    As manchetes, as redes sociais e as conversas no ambiente de trabalho provocadas pelo caso Weinstein são "incrivelmente poderosas" para ilustrar o alcance do problema, disse Jennifer Becker, uma das principais advogadas da Legal Momentum, The Women's Legal Defense and Education Fund, que combate a sextorsão.

Usando a hashtag #MeToo (EuTambém), dezenas de milhares de mulheres foram ao Twitter e ao Facebook contar como foram agredidas verbalmente, apalpadas, molestadas e estupradas por chefes, professores e familiares.

"É um abuso de poder, então, tendo Harvey Weinstein como exemplo, é um caso clássico e já antigo de sextorsão", afirmou Jennifer à Thomson Reuters Foundation em uma entrevista.

Um grande obstáculo para tornar a sextorsão ilegal é fazer o público e os parlamentares entenderem seu alcance, argumentou ela.

"Isso nunca ocupou o centro do palco", disse. "Quanto mais instâncias, quanto mais narrativas tivermos, certamente mais isso ajudará os parlamentares a entenderem que é algo que deveriam priorizar".

Weinstein enfrenta alegações segundo as quais assediou e atacou sexualmente ou estuprou várias mulheres, incluindo atrizes de primeiro escalão, ao longo das últimas três décadas.

Ele negou ter tido sexo não-consensual com qualquer pessoa, e em contrapartida existem asserções de que muitas pessoas sabiam das acusações contra o poderoso produtor de Hollywood e não fizeram nada.

"O caso Weinstein sublinha a importância da questão, de quão disseminada ela é, de quão destruidora ela é e de quão pouca atenção recebe", disse Nancy Hendry, conselheira de políticas sênior da Associação Internacional de Juízas.

"De fato permitimos que isso ocorra com relativa impunidade", completou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters