Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BOGOTÁ (Reuters) - Uma missão da Organização das Nações Unidas (ONU) que está supervisionando a desmobilização das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) demitiu quatro funcionários nesta quinta-feira após terem sido vistos dançando com combatentes da guerrilha em uma festa de Ano Novo.

Um vídeo, que mostra homens vestidos com as jaquetas azuis da ONU dançando ao ritmo da salsa com mulheres rebeldes, criou controvérsias ao questionar a neutralidade dos observadores da ONU no país andino, onde as Farc estão se desmobilizando após uma guerra de meio século.  

A missão da ONU, que é coletar as armas das Farc e supervisionar mais de duas dúzias de acampamentos, foi criticada por opositores de direita, que são contra o processo de paz.

O governo do presidente Juan Manuel Santos, que recebeu o prêmio Nobel da Paz pelo acordo com as Farc, também disse que a dança prejudicou a neutralidade da ONU.

“A missão da ONU na Colômbia tomou a decisão de dispensar três observadores presentes na ocasião e seu supervisor direto”, disse a organização internacional em comunicado nesta quinta-feira, sem nomeá-los.

“A missão reitera sua determinação de verificar com total imparcialidade os compromissos de ambas as partes com o cessar-fogo e deposição de armas.”

A embaixadora da Colômbia na ONU, María Emma Mejía, disse que o incidente foi fonte de grande “preocupação e surpresa”.

Líderes das Farc argumentam que a reação ao vídeo, que dominou as manchetes locais desde o Ano Novo, é exagerada.

(Por Julia Symmes Cobb)

Reuters