Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Crianças palestinas no lado de fora de uma escola da ONU que serve de abrigo para moradores que fugiram de suas casas durante operação terrestre israelense, em Jabaliya, no norte da Faixa de Gaza, nesta terça-feira. 29/07/2014 REUTERS/Finbarr O'Reilly

(reuters_tickers)

GAZA (Reuters) - A agência da Organização das Nações Unidas (ONU) que cuida de refugiados palestinos disse nesta terça-feira que encontrou um esconderijo de foguetes em uma de suas escolas na Faixa de Gaza e deplorou aqueles que colocaram o material no local.

O porta-voz da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina, Chris Gunness, condenou os responsáveis ​​por colocar civis em perigo armazenando os foguetes na escola, mas não culpou especificamente ninguém em particular.

"Condenamos o grupo ou grupos que colocaram civis em perigo, escondendo essas munições em nossa escola. Esta é mais uma flagrante violação da neutralidade de nossas instalações. Apelamos a todas as partes em conflito que respeitem a inviolabilidade da propriedade da ONU", disse Gunness em um comunicado.

Israel tem alvejado algumas instalações da agência durante os combates na atual campanha de 22 dias contra militantes islâmicos na Faixa de Gaza e chegou a dizer no passado que a propriedade da ONU foi utilizada para fins hostis.

Mais de 1.200 palestinos, a maioria civis, e 53 soldados israelenses foram mortos na ofensiva com a qual Israel tenta neutralizar a ameaça de ataques militantes e o lançamento de foguetes contra o seu território.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, expressou indignação na semana passada com a descoberta de 20 foguetes em uma escola vazia da agência e em outra escola uma semana antes.

Gunness disse que a organização convocou um especialista em munições para eliminar os foguetes e garantir a segurança da escola, mas acrescentou que ele não pode acessar o local devido aos combates na área.

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi)

Reuters