Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Neve vista em acampamento de refugiados na ilha grega de Lesbos. 10/01/2017 Petros Tsakmakis/Intimenews via REUTERS

(reuters_tickers)

GENEBRA (Reuters) - Refugiados e imigrantes estão morrendo na repentina onda de frio na Europa, e os governos precisam fazer mais para ajudá-los em vez de barrá-los nas fronteiras e submetê-los a violência e confiscos, disseram agências da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta sexta-feira.

"É sobre salvar vidas, e não colocar regras e burocracias", disse Sarah Crowe, porta-voz do Unicef, durante entrevista coletiva regular da ONU em Genebra. "A situação urgente agora é a Grécia".

A porta-voz do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Cecile Pouilly, detalhou cinco mortes até o momento pelo frio e disse que cerca de mil pessoas estão em tendas e dormitórios sem aquecimento na Grécia.

Ela fez um apelo pela transferência dessas pessoas para locais melhores.

Joel Millman, porta-voz da Organização Internacional para as Migrações (OIM), disse que movimentos migratórios pelo Mediterrâneo "começaram grandes" em 2017, e o número de mortos neste ano já alcança 27.

(Reportagem de Stephanie Nebehay)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters