Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, em Caracas. 21/06/2017 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

GENEBRA (Reuters) - O escritório de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) criticou o governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, nesta sexta-feira, por reduzir os poderes da procuradora-geral do país, e o exortou a respeitar o Estado de direito e a liberdade de reuniões de pessoas.

Autoridades do governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) lançaram uma série de ataques à procuradora-geral, Luisa Ortega, que vão de acusações de insanidade à promoção da violência, desde seu rompimento com o governo.

"A decisão do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), em 28 de junho, de iniciar procedimentos de afastamento contra a procuradora-geral, congelar seus bens e impedi-la de deixar o país é profundamente preocupante, assim como a violência em curso no país", disse o porta-voz de direitos humanos da ONU, Rupert Colville, durante entrevista em Genebra.

"Existem cada vez mais relatos de que as forças de segurança fizeram operações em edifícios residenciais, realizaram buscas sem mandados e detiveram pessoas, supostamente com a intenção de impedir pessoas de participarem das manifestações e procurar apoiadores da oposição", disse.

(Por Stephanie Nebehay)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters