Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Iraquianos que fugiram de Mosul buscam ajuda humanitária. 24/1/2017. REUTERS/Muhammad Hamed

(reuters_tickers)

Por Maher Chmaytelli

BAGDÁ (Reuters) - A Organização das Nações Unidas (ONU) informou nesta terça-feira que está, segundo uma representante, “correndo contra o tempo” para preparar a ajuda emergencial para centenas de milhares de civis ameaçados em Mosul com uma iminente ofensiva militar iraquiana para tirar o Estado Islâmico do oeste da cidade.

O primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, confirmou nesta terça que as forças do governo haviam tomado o controle completo do leste de Mosul, cem dias após o início da campanha apoiada pelos Estados Unidos para recuperar a segunda maior cidade iraquiana dos insurgentes do Estado Islâmico, que ganharam o domínio do local em 2014.

Autoridades das Nações Unidas estimam que 750 mil pessoas permanecem no lado de Mosul a oeste do Rio Tigre, que corre pelo último centro urbano importante nas mãos do Estado Islâmico no Iraque, depois da série de avanços do governo no norte e no oeste do país.

O lado oeste pode se mostrar mais complicado do que o leste, uma vez que ele é caracterizado por ruas estreitas demais para veículos blindados, que permitem que militantes se escondam entre civis.

Os jihadistas muçulmanos sunitas devem resistir de forma feroz uma vez que eles estão cercados numa área cada vez menor de Mosul.

"Nós estamos correndo contra o relógeio para nos prepararmos para isso”, disse Lise Grande, coordenadora humanitária das Nações Unidas.

Agências humanitárias estão montando campos, acessíveis do oeste de Mosul, para pessoas desabrigadas e colocando suprimentos neles, disse ela.

Reuters