Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, durante reunião do Conselho de Segurança 21/09/2017 REUTERS/Stephanie Keith

(reuters_tickers)

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - A Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta quarta-feira uma resolução pedindo o fim do embargo econômico dos Estados Unidos contra Cuba, e os EUA votaram contra depois de se absterem no ano passado pela primeira vez em 25 anos.

A Assembleia-Geral de 193 membros aprovou a resolução com 191 votos a favor. Israel, como tem feito, votou em linha com o seu maior aliado.

A resolução não vinculativa insta os Estados Unidos a revogar o embargo em Cuba o mais rápido possível. A votação da ONU pode ter peso político, mas apenas o Congresso dos EUA pode retirar o embargo completo, criado há mais de 50 anos.

A embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Nikki Haley, chamou a reunião plenária sobre o tema de "teatro político".

"O regime cubano está enviando mensagem distorcida ao mundo de que o triste estado de sua economia, a opressão de seu povo e a exportação de sua ideologia destrutiva não é sua culpa", disse Haley à Assembleia Geral.

A posição dos EUA havia sido anunciada na terça-feira no Departamento de Estado.

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, disse que Haley e os Estados Unidos não têm "a menor autoridade moral para criticar Cuba", chamando suas declarações de "desrespeitosas" contra Cuba e seu governo.

As tensões ressurgiram recentemente entre Washington e Havana, que iniciaram uma relação mais estreita sob o governo do ex-presidente dos EUA Barack Obama e reabriram as embaixadas em ambos os países em 2015.

Haley disse que o status diplomático entre os dois países não está mudando.

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou no início deste mês que ele acredita que Havana é responsável por uma série de supostos incidentes que Washington diz que abalaram a saúde de 24 de seus diplomatas, enquanto autoridades cubanas disseram na semana passada que falar de ataques sônicos era "ficção científica".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters