Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados paramilitares e policiais carregam o corpo de um homem morto depois de um ataque de militantes na base aérea Samungi, que compartilha uma pista com um aeroporto civil em Quetta, no Paquistão, nesta sexta-feira. 15/08/2014 REUTERS/Naseer Ahmed

(reuters_tickers)

QUETTA, Paquistão (Reuters) - Onze militantes ligados ao Taliban foram mortos e 13 membros das forças de segurança do Paquistão ficaram feridos em ataques a duas bases aéreas na cidade de Quetta, no oeste paquistanês, na quinta-feira, informaram autoridades.

Os atiradores não entraram nas instalações, mas foi o terceiro atentado contra aeroportos do país desde junho, o que desperta novas dúvidas sobre a segurança destes locais.

Os militares do Paquistão vêm conduzindo uma ofensiva contra a insurgência do Taliban na região remota e essencialmente descontrolada do Waziristão do Norte, na fronteira com o Afeganistão, há dois meses. Uma facção do Taliban paquistanês afirmou ter realizado os ataques de quinta-feira em resposta à ofensiva.

“É uma vingança pela matança de gente inocente no Waziristão do Norte e do Sul pelas mãos do Exército”, disse Ghalib Mehsud, que afirmou ser comandante e porta-voz do Islã Fidayeen, ala do Taliban responsável pelo treinamento de homens-bomba. “Haverá mais ataques nos próximos dias”.

Os militares dizem que centenas de militantes foram mortos durante a ofensiva longamente aguardada. Moradores afirmam que alguns civis também morreram nos frequentes ataques aéreos.

O Exército afirmou que cinco dos atiradores do atentado de quinta-feira foram mortos na base da força aérea em Samungli, que compartilha uma pista com o aeroporto civil de Quetta. Há muito a cidade é usada como base do Taliban afegão e paquistanês.

(Reportagem de Gul Yousufzai)

Reuters