Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

MADRI (Reuters) - Trinta e quatro pessoas foram detidas nesta terça-feira pela polícia e pela guarda civil espanhola em uma grande operação conjunta contra a ala juvenil do grupo separatista basco ETA, a ilegal Segi, em diversas localidades do País Basco e Navarra, informaram fontes oficiais.
O Ministério do Interior considera a Segi a organização da esquerda nacionalista basca "mais ortodoxa e de maior fidelidade" ao ETA, além de encarregada de levar a cabo ações de desestabilização mediante a denominada "violência das ruas".
"As operações desenvolvidas atacam diretamente o núcleo diretor da organização e a sua própria existência e capacidade de atuação", disse o Ministério em comunicado, destacando o impacto da ação policial no financiamento e estrutura logística da Segi.
Entre os detidos encontram-se os líderes da Segi que estariam preparando um grande congresso nacional para seguir alimentando as atividades do grupo armado, segundo as autoridades.
"É uma operação muito importante que prende dirigentes de uma organização ilegal e isso demonstra a eficácia do trabalho da polícia e da Justiça para evitar que organizações ilegais recomponham suas direções para seguir desenvolvendo atividades ilícitas", disse à rádio Euskadi o conselheiro basco do Interior, Rodolfo Ares.
A organização juvenil também aparece na lista de organizações terroristas da União Europeia.
Os detidos estão sendo levados a Madri e passarão por procedimentos judiciais nos próximos dias, disse o Ministério do Interior.
A operação, coordenada pelo juiz da Audiência Nacional Fernando Grande Marlaska, ainda está em andamento.
(Reportagem de Itziar Reinlein e Arantza Goyoaga)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters