Navigation

Oposição da Hungria se une para desafiar premiê Orbán em 2022

Primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán 20/07/2020 Stephanie Lecocq/Pool via REUTERS reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. agosto 2020 - 22:03

Por Marton Dunai

BUDAPESTE (Reuters) - Os seis principais partidos de oposição da Hungria formarão uma aliança para a eleição de 2022 e, se conseguirem derrotar o primeiro-ministro, Viktor Orbán, pretendem governar em uma coalizão, disseram as siglas em um comunicado conjunto.

Orbán, que tem entrado em atrito com aliados ocidentais a respeito do estado de direito e da repressão da dissidência, ampliou a influência de seu partido Fidesz graças às três grandes vitórias eleitorais conquistadas desde 2010 diante de uma oposição fraca e fragmentada.

Nas eleições municipais do outono passado, porém, partidos opositores apresentaram candidaturas conjuntas em muitos distritos do país e derrotaram o Fidesz em zonas eleitorais cruciais, inclusive a prefeitura da capital Budapeste.

O novo prefeito de Budapeste disse que sua vitória, resultante de uma primária e depois de um esforço comum de todos os partidos de oposição, é um roteiro para fazer frente a Orbán.

Pesquisas recentes indicam que, tirando os eleitores indecisos, cerca de metade de todos os eleitores ativos apoia Orbán e metade quer um triunfo da oposição. Os indecisos representam cerca de um terço dos que podem ir às urnas e podem alterar o desfecho da votação.

"Os partidos de oposição ouviram seus eleitores, e hoje os presidentes dos partidos iniciaram consultas oficiais para se prepararem para a eleição parlamentar de 2022", disseram as siglas em comunicados idênticos.

Elas apresentarão candidatos comuns em todas as 106 zonas eleitorais, estabelecerão um programa conjunto e governarão juntas se vencerem, disseram.

A Publicus Research, empresa que mede o apoio dos partidos de oposição e de uma aliança em potencial, mostrou que uma aliança já tem, em relação ao Fidesz, uma ligeira vantagem nas pesquisas que superaria o resultado cumulativo de partidos de oposição separados por algo entre 5 e 6 pontos percentuais.

"Esta proposta é mais crível do que qualquer coisa que a oposição apresentou recentemente", disse o diretor do Publicus, Andras Pulai, à Reuters.

Peter Marki-Zay, prefeito e líder de um grupo que defende a unificação da oposição, disse que o Fidesz teria perdido quase metade das zonas eleitorais contra um único oponente em 2018.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.