Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

CARACAS (Reuters) - A oposição da Venezuela disse nesta terça-feira que não participará do diálogo político programado para esta semana na República Dominicana com o governo do presidente Nicolás Maduro, uma vez que não foram convidadas autoridades regionais.

"O processo de negociação internacional não pode continuar até que ministros de Relações Exteriores sejam convidados", disse o negociador da oposição, Luis Florido, a repórteres, referindo-se à potencial presença de vários chanceleres latino-americanos.

As negociações para aliviar a crise política na Venezuela foram programadas para quarta-feira. Os esforços anteriores de diálogo acabaram em recriminações entre os dois lados, sem avanços concretos.

A coalizão de oposição já acusou o governo Maduro de bloquear a presença de ministros de Relações Exteriores nas negociações desta semana, mas na terça-feira disse que parecia ser mais um problema de agendamento.

Não houve resposta imediata de autoridades.

A principal demanda da oposição é de condições livres e justas para as eleições presidenciais de 2018.

Também quer liberdade para ativistas presos, autonomia para o Congresso liderado pela oposição e um corredor de ajuda humanitária estrangeira para ajudar a aliviar a crise econômica sem precedentes na Venezuela.

Maduro acusa seus oponentes de conspirar com os Estados Unidos e uma campanha internacional de direita para expulsar seu governo socialista através de um golpe. O governo está buscando garantias contra a violência e o reconhecimento da Assembleia Constituinte pró-Maduro que derrubou o Congresso.

Pelo menos 125 pessoas morreram em quatro meses de protestos frequentemente violentos contra Maduro neste ano.

(Reportagem de Eyanir Chinea)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters