Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher vota em pebliscito não oficial contra o governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Maracaibo 16/07/2017 REUTERS/Isaac Urrutia

(reuters_tickers)

Por Corina Pons e Brian Ellsworth

CARACAS (Reuters) - Mais de 7 milhões de venezuelanos votaram no domingo em um referendo não oficial realizado pela oposição para pressionar o presidente Nicolás Maduro e repudiar seu plano de reescrever a Constituição do país, informaram monitores.

O plebiscito simbólico teve como objetivo atacar a legitimidade de Maduro em meio a meses de protestos antigoverno que mataram quase 100 pessoas e a uma incapacitante crise econômica que deixou milhões de pessoas passando por dificuldades para comer.

Líderes da oposição chamaram o referendo de sucesso, ao mesmo tempo que lamentaram a morte de uma mulher assassinada por um homem armado em Caracas durante a votação.

"Hoje, 16 de julho, a dignidade ganhou e a tirania perdeu", disse a líder de oposição María Corina Machado. "Nós demos um mandato indiscutível para uma nova Venezuela começando amanhã".

Maduro, de 54 anos, desprezou o referendo de domingo como inconstitucional e está fazendo campanha por uma votação no dia 30 de julho para criar um novo órgão legislativo que teria o poder de reescrever a Constituição e dissolver instituições estatais.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters