Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestante da oposição segura cartaz que diz "Fora Maduro", durante protesto em Caracas 24/04/ 2017. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

CARACAS (Reuters) - A oposição venezuelana se preparava nesta segunda-feira para ocupar as principais avenidas do país, em um novo protesto contra o governo do presidente Nicolás Maduro, na mais recente de uma série de manifestações que deixou ao menos dez mortos.

A coalizão opositora Mesa de La Unidad (MUD) convocou seus partidários para se concentrar nas principais avenidas de cada região, em todos os 24 Estados do país. O protesto acontecerá durante todo o dia.

"Os protestos pacíficos continuarão por todo país até que Maduro respeite a Constituição e acabe com seu autogolpe! RESPOSTA!", escreveu o líder da oposição e ex-candidato presidencial Henrique Capriles.

Testemunhas da Reuters informaram que os manifestantes já começaram a bloquear parcialmente o tráfego em algumas importantes vias de Caracas. Em outros pontos da capital, alguns grupos formaram barricadas para impedir o trânsito.

A atmosfera política se aqueceu no final de março quando o Poder Judicial tomou as prerrogativas do Parlamento dominado pela oposição, gerando protestos locais e chamados internacionais para respeitar a democracia.

A oposição tem insistido que continuará nas ruas até que sejam repostas todas as funções da Assembleia Nacional, que se convoquem eleições gerais, que se abra um canal humanitário que reduza a grave escassez de medicamentos e que se liberem centenas de presos políticos.

Maduro acusa os manifestantes de tentar derrubá-lo com a ajuda do governo dos Estados Unidos. Do outro lado, os líderes da oposição dizem que o governo está usando táticas repressivas e levando o país a uma ditadura.

Mais de 1,400 pessoas foram detidas esse mês, segundo o grupo local de direitos humanos Foro Penal, enquanto ao menos 10 pessoas morreram durante protestos e outras 11 pessoas foram mortas em saques e distúrbios.

(Reportagem de Deisy Buitrago)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 22237141)) REUTERS MCP RBS

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters