Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Henrique Capriles concede entrevista em Caracas 6/4/2017 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

Por Alexandra Ulmer e Diego Oré

CARACAS (Reuters) - O líder opositor venezuelano e duas vezes candidato a presidente Henrique Capriles disse nesta sexta-feira que foi proibido de exercer qualquer cargo público por 15 anos em meio ao que críticos afirmam ser uma repressão do governo à dissidência.

Nos últimos dias as autoridades acusaram Capriles de fomentar a violência e o derramamento de sangue liderando protestos contra o impopular presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

A proibição impediria Capriles de concorrer à Presidência novamente nas eleições atualmente agendadas para o final de 2018.

"URGENTE: informo o país e a opinião pública internacional que estou sendo notificado neste exato momento de uma PROIBIÇÃO de 15 anos", tuitou Capriles, que atualmente é governador do Estado central costeiro de Miranda.

As autoridades não comentaram de imediato.

A decisão relativa a Capriles provavelmente irá atiçar as tensões no país, onde mais de 100 prisioneiros políticos estão detidos, de acordo com grupos da oposição e de direitos humanos.

Outro líder opositor, Leopoldo López, o prisioneiro mais conhecido da Venezuela, também foi impedido de ocupar cargos públicos em 2008, quando era um prefeito popular de um distrito de Caracas.

Acreditava-se que López iria concorrer contra o falecido presidente Hugo Chávez na eleição presidencial de 2012, mas ele passou o bastão a Capriles, que perdeu aquela votação e outra para Maduro em 2013, após a morte de Chávez.

O governo Maduro tem dito que uma elite empresarial apoiada pelos Estados Unidos é responsável pela decadência econômica da nação e que tenta incitar um golpe para impor um governo de direita.

"Senhor Capriles, você está tentando inflamar o país", disse Freddy Bernal, do governista Partido Socialista Unido da Venezuela, durante um evento governamental na quinta-feira.

"Você está procurando mortes. Depois não venha dizendo que é um prisioneiro político. Não venha chorando depois porque está sendo perseguido."

Milhares de opositores de Maduro foram às ruas na quinta-feira para protestar contra uma decisão do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que se inclina a favor do governo socialista e assumiu o controle do Congresso de maioria opositora, o que os manifestantes disseram ser um mais um passo rumo à ditadura.

Embora a medida amplamente rejeitada tenha sido revertida rapidamente, a oposição intensificou as manifestações de rua contra Maduro, ainda que tais protestos tenham obtido pouco no passado.

(Reportagem adicional de Eyanir Chinea)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters