Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante reunião em Bruxelas, na Bélgica. 03/05/2017 REUTERS/Eric Vidal

(reuters_tickers)

Por Estelle Shirbon

LONDRES (Reuters) - A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) está estudando um pedido de autoridades da aliança militar para o envio de mais tropas ao Afeganistão, e irá tomar uma decisão sobre a escala e a abrangência da missão dentro de semanas, disse o secretário-geral, Jens Stoltenberg, nesta quarta-feira.

A solicitação do que Stoltenberg disse serem "cerca de alguns milhares" de soldados a mais reflete a preocupação do Ocidente com a piora da situação de segurança no Afeganistão, ganhos territoriais de militantes do Taliban e baixas militares e civis.

"Agora estamos analisando esse pedido. Tomaremos decisões sobre a escala e a abrangência da missão dentro de semanas, mas não se trata de voltar a uma operação de combate no Afeganistão", afirmou o secretário-geral depois de se encontrar com a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May.

A Otan já tem cerca de 13.450 tropas em solo afegão, incluindo cerca de 6.900 militares dos Estados Unidos, que estão treinando as Forças Armadas locais para que futuramente assumam a defesa e a segurança do país, e Stoltenberg enfatizou que quaisquer elementos adicionais não terão funções de combate.

"Continuará sendo uma operação de treinamento, assistência e aconselhamento", acrescentou.

Os ministros da Defesa da Otan podem tomar uma decisão em junho, de acordo com uma autoridade da entidade. A cúpula de líderes da Otan, que acontece em Bruxelas no dia 25 de maio, provavelmente é cedo demais, disse.

Quase 16 anos depois de os EUA tentarem depor o Taliban afegão, que acolheu militantes da Al Qaeda por trás de ataques em Nova York e Washington, o Ocidente continua enredado em um esforço para estabilizar um país que lida com rebeldes ressurgentes.

(Reportagem adicional de Guy Faulconbridge, em Londres, e Robin Emmott, em Bruxelas)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters