Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Logo da Odebrecht visto em obra na capital do Panamá. 28/12/2016 REUTERS/Eduardo Grimaldo

(reuters_tickers)

CIDADE DO PANAMÁ (Reuters) - Promotores panamenhos informaram na terça-feira que indiciaram 17 pessoas, incluindo vários empresários e ex-funcionários do governo, por lavagem de dinheiro, como parte do caso envolvendo milhões de dólares em subornos pagos pelo grupo brasileiro de engenharia Odebrecht.

A procuradora-geral Kenia Porcell se recusou a identificar os acusados, mas a imprensa local informou que entre os nomes estão três ex-funcionários do ex-presidente Ricardo Martinelli, que atualmente vive nos Estados Unidos e está sendo investigado separadamente por corrupção no Panamá.

A Odebrecht, que se tornou uma das principais empreiteiras sob o governo de Martinelli, concordou verbalmente neste mês em pagar 59 milhões de dólares em compensações pelos suborbos pagos no Panamá para ganhar licitações entre 2010 e 2014.

A cifra equivale ao montante que a Odebrecht admitiu pagar a autoridades e intermediários no país, em acordo anunciado em dezembro na justiça norte-americana.

(Por Elida Moreno)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters