Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, durante pronunciamento na sede da ONU em Nova York, Estados Unidos 30/09/2015 REUTERS/Carlo Allegri

(reuters_tickers)

CIDADE DO PANAMÁ (Reuters) - O Panamá anunciou na terça-feira que, a partir de outubro, venezuelanos que quiserem entrar no país precisarão de um visto, e acusou o governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de menosprezar a democracia dentro de casa e a segurança no exterior.

Falando alguns dias depois de uma visita do vice-presidente norte-americano, Mike Pence, ao Panamá, o presidente panamenho, Juan Carlos Varela, disse que a exigência de visto entrará em vigor no dia 1º de outubro e continuará até que a "ordem democrática" seja restaurada na Venezuela.

"Dada à interrupção na ordem democrática na Venezuela, uma situação que coloca em risco nossa segurança, nossa economia... e depois de cuidadosa análise, eu tomei a decisão de exigir vistos de cidadãos venezuelanos que quiserem viajar para o Panamá", disse Varela, em uma curta mensagem televisionada.

Varela disse que a situação na Venezuela piorou desde que o governo decidiu avançar com uma Assembleia Constituinte de 545 membros, em face a forte críticas de parte da comunidade internacional, incluindo os Estados Unidos e México.

(Reportagem de Elida Moreno)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters