Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Philip Pullella e Ju-min Park

KKOTTONGNAE Coreia do Sul (Reuters) - O Papa Francisco emitiu neste sábado um aviso claro ao clero católico romano, dizendo que aqueles que professam a pobreza mas vivem vidas materiais ricas eram hipócritas que ferem a imagem e a missão da Igreja.

No terceiro dia de sua visita à Coreia do Sul, Francisco celebrou uma missa ao ar livre no centro da capital Seul, onde denunciou a diferença crescente entre ricos e pobres, pedindo às pessoas em sociedades afluentes que ouçam "o grito dos pobres" entre eles.

Mais tarde, ele voou de helicóptero para um centro de doentes, deficientes e desabrigados dirigido pela Igreja na cidade de Kkottongnae, ao sudeste de Seul.

Lá, ele consolou crianças e adultos doentes, alguns deles com deficiências graves e desfigurados e em cadeiras de rodas, e recusou-se a usar uma cadeira acolchoada confortável que tinha sido preparada para ele. "Eu gosto de ficar de pé", disse ele. Curvando-se às tradições locais, ele tirou os sapatos ao entrar no centro.

Mais tarde, em outra seção do instituto, Francisco elogiou os clérigos que dedicam suas vidas aos mais necessitados e pediu que permanecessem no caminho certo.

"A hipocrisia daqueles homens e mulheres consagrados que professaram votos de pobreza mas vivem como os ricos fere as almas dos fiéis e prejudica a Igreja", disse ele.

Francisco tem pedido que funcionários católicos romanos vivam vidas mais simples e renunciem aos apartamentos papais no palácio do Vaticano para locais modestos em moradias da Igreja.         

(Reportagem adicional de Kahyun Yang)

Reuters