Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O Papa Francisco canonizou 35 novos santos Católicos Romanos neste domingo, incluindo três crianças indígenas martirizadas no século XVI no México e consideradas os primeiros cristãos mortos por sua fé no Novo Mundo, e 30 mártires que foram mortos no Brasil por sua fé em 1645.

Francisco usou a ocasião para anunciar que havia decidido convocar uma reunião de bispos, ou sínodo, de países da região da Pan-Amazônica para outubro de 2019, para discutir a condição da Igreja na área e a difícil situação do povo indígena.

A região inclui Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Venezuela, Equador, Colômbia, Bolívia, Peru e Brasil.

As três crianças que o papa canonizou diante de uma multidão de dezenas de milhares na Praça São Pedro eram do povo Talaxcaltec, grupo indígena pré-Colombiano no que é hoje o México.

O papa também canonizou 30 mártires mortos por sua fé no Brasil em 1645. Eles incluem dois missionários portugueses e 28 seguidores mortos pelos soldados coloniais holandeses durante o período de perseguição aos Católicos.

Ao anunciar o sínodo de 2019 para os bispos da região amazônica, Francisco disse que o povo indígena da região hoje está "com frequência abandonado e sem a perspectiva de um futuro brilhante, mesmo devido à crise na Floresta Amazônica, pulmão de extrema importância para nosso planeta".

Francisco, argentino e o primeiro papa latino-americano, tem relacionado seus pedidos por justiça social, em particular para o povo indígena, àqueles pela defesa do ambiente, dizendo que os pobres serão os que mais sofrerão os efeitos das mudanças climáticas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters