Reuters internacional

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O Papa Francisco condenou uma explosão mortal em uma igreja no Egito e disse na missa do Domingo de Ramos que o mundo estava sofrendo de guerras, terrorismo e "interesses armados e prontos para atacar".

Francisco, que não fez nenhum comentário público direto sobre a atual crise do Oriente Médio, ofereceu a missa em um momento de crescente tensão internacional, após o bombardeio do Estados Unidos contra uma base aérea síria, que o Pentágono disse estar relacionado com um ataque de armas químicas que matou 87 pessoas.

Enquanto o papa, que deve visitar o Egito de 28 a 29 de abril, estava celebrando a missa para dezenas de milhares de pessoas, o Vaticano recebeu a notícia da explosão que matou pelo menos 21 pessoas e feriu 50 em uma igreja no Delta do Nilo.

"Rezo pelos mortos e pelas vítimas, que o Senhor converta os corações das pessoas que semeiam o terror, a violência e a morte e até mesmo os corações daqueles que produzem e traficam armas", disse ele, em comentários preparados apressadamente ao final da missa.

A explosão foi o mais recente ataque a uma minoria religiosa, que tem sido cada vez mais alvo de militantes islâmicos. Além disso, tem havido profundas preocupações de segurança sobre a viagem do papa.

O Domingo de Ramos, o início da Semana Santa que culmina no Domingo de Páscoa, comemora o dia em que os cristãos acreditam que Jesus entrou em Jerusalém e foi recebido como o messias, para ser crucificado cinco dias depois.

Francisco, que marca a quinta temporada de Páscoa de seu pontificado, abençoou palmeiras e ramos de oliveira no centro da Praça de São Pedro.

"Ele (Jesus) está presente em nossos muitos irmãos e irmãs que hoje sofrem sofrimentos como os seus: sofrem de trabalho escravo, de tragédias familiares, de doenças", disse ele.

"Eles sofrem de guerras e terrorismo, de interesses armados e prontos para atacar, mulheres e homens que são enganados, violados em sua dignidade, descartados", acrescentou.

Antes do bombardeio de mísseis dos EUA, Francisco disse estar horrorizado com o suspeito de ataque com armas químicas, chamando-o de "massacre inaceitável" de civis inocentes.

Aliados dos Estados Unidos expressaram seu apoio às ações de Washington, chamando-as de resposta proporcional ao suposto uso de armas químicas pelas forças sírias. Mas eles foram denunciados como ilegais pela Síria e seus aliados Rússia e Irã.

O Domingo de Ramos marca o início de uma agitada semana para o Papa, que na quinta-feira visita uma prisão ao sul de Roma para lavar e beijar os pés de 12 presos, comemorando o gesto de humildade de Jesus para com seus apóstolos na noite anterior à sua morte.

Papas anteriores realizaram o serviço no Vaticano ou em uma basílica de Roma, mas Francisco mudou a tradição para enfatizar a importância de ir aos pobres, doentes e presos.

Ele atraiu a ira ultra-tradicionalista por incluir muçulmanos e mulheres em um serviço anteriormente limitado aos homens católicos.

(Por Philip Pullella)

Reuters

 Reuters internacional