Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Daniel Flynn
CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Bento 16 encontrou artistas do mundo todo na Capela Sistina neste sábado e pediu que eles coloquem espiritualidade no seu trabalho, dizendo que a beleza contemporânea é muitas vezes "ilusória e enganadora".
O papa disse a centenas de pintores, escultores, arquitetos, poetas e diretores reunidos sob a abóbada da capela pintada por Michelangelo que ele queria "renovar a amizade da Igreja com o mundo da arte".
"A beleza... pode se tornar um caminho para a transcendência, para o mistério final", disse Bento 16.
O Vaticano disse ter convidado cerca de 500 artistas para o evento, sem considerar aspectos religiosos, políticos ou estilísticos.
Mais de 250 aceitaram, a maioria da Itália, incluindo o cantor Andrea Bocelli e o premiado compositor Ennio Morricone.
O papa disse a eles que, num mundo onde falta esperança, com sinais cada vez maiores de agressão e desespero, há uma necessidade ainda maior de um retorno da espiritualidade na arte.
Com o afresco "O Juízo Final", que adorna a parede do altar da capela, ao fundo, Bento 16 lamentou que a cooperação entre a Igreja Católica e a comunidade artística tenha se enfraquecido.
O evento deste sábado marcou o décimo aniversário da "Carta aos Artistas" do papa João Paulo II, na qual ele falava da "necessidade de arte" da Igreja, e o 45o aniversário da reunião original com artistas em 1964, promovida pelo papa Paulo VI.
Após uma série de questões entre o Vaticano e artistas nos últimos anos, incluindo a controvérsia em torno do livro "O Código da Vinci", de Dan Brown, a mais recente abertura a artistas tem sido conduzida pelo novo comissário da cultura do Vaticano, o arcebispo Gianfranco Ravasi.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters