Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Philip Pullella

VATICANO (Reuters) - O papa Francisco pediu nesta segunda-feira que líderes políticos defendam imigrantes, dizendo que a segurança deles deveria ter prioridade em relação a preocupações de segurança nacional e que não deveriam estar sujeitos a deportações coletivas.

O desafio feito a políticos em um comunicado abrangente sobre imigrantes e refugiados pareceu colocá-lo mais uma vez em discordância com as políticas restritivas assumidas por diversos governos que lidam com o crescente sentimento anti-imigrante.

"A solidariedade precisa ser expressada concretamente em todos os estágios da experiência migratória --da saída, passando pela jornada até a chegada e o retorno", disse em mensagem antes do Dia Mundial da Igreja Católica Romana para Imigrantes e Refugiados.

Pedindo por "opções mais amplas para que imigrantes e refugiados entrem nos países de destino com segurança e legalmente", ele disse que os direitos humanos e dignidade de todos os imigrantes precisam ser respeitados independentemente de seus estados legais.

"O princípio da centralidade da pessoa humana... nos obriga a sempre priorizar a segurança pessoal sobre a segurança nacional", disse.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters