Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O Papa Francisco disse que é urgente que líderes globais trabalhem juntos para combater "a praga do terrorismo", afirmando em seu discurso de ano novo neste domingo que uma mancha de sangue cobre o mundo em sua entrada em 2017.

Ao falar para cerca de 50 mil pessoas na Praça de São Pedro em seu tradicional discurso, o papa deixou de lado por um momento o texto que havia preparado para condenar o ataque a uma casa noturna em Istambul que matou ao menos 39 pessoas.

"Infelizmente, a violência nos atingiu mesmo nessa noite em que desejamos o bem e a esperança. É com dor que expresso minha solidariedade ao povo turco. Eu rezo pelas muitas vítimas e pelos feridos e por toda a nação em luto", disse ele.

"Peço ao Senhor que sustente todos os homens de bem para que com coragem levantem suas mangas e lutem contra a praga do terrorismo e sua mancha de sangue que está cobrindo o mundo com uma sombra de medo e uma sensação de perda", completou o papa.

Ele disse que o ano de 2017 será o que as pessoas fizerem dele.

"Esse ano será bom à medida em que cada um de nós, com a ajuda de Deus, procurarmos fazer o bem dia após dia", disse ele à multidão que aguardava em uma manhã fria.

No dia que a Igreja Católica Romana, com seus 1,2 bilhão de fiéis, celebra como de Paz Universal, ele disse que a paz foi construída ao se dizer "não" à violência e ao ódio e "sim" à reconciliação e à irmandade.

Mais cedo, na Basílica de São Pedro, o papa disse em uma homilia que a falta de contato físico entre as pessoas trazida por modernidades como a comunicação virtual "está cauterizando nossos corações e nos fazendo perder a capacidade de sentir ternura e admiração, piedade e compaixão".

(Por Philip Pullella)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters