Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco excomungou dois bispos chilenos envolvidos em um escândalo de abuso sexual de ampla repercussão no país sul-americano, disse o Vaticano neste sábado. 

O Vaticano identificou os dois homens como Francisco José Cox Huneeus, arcebispo emérito da cidade de La Serena, e Marco Antonio Órdenes Fernández, arcebispo emérito de Iquique. 

Um comunicado do Vaticano em espanhol disse que a decisão do papa foi definitiva e não estava aberta a apelações, referindo-se a um cânone da Igreja que trata sobre crimes de abuso sexual contra menores.

Excomungar implica a expulsão do sacerdócio. É a punição mais rígida que a Igreja pode aplicar a um membro do clero e é uma ação raramente tomada contra bispos. 

No começo deste mês, a ordem religiosa à qual Cox pertence, dos Padres de Schoenstatt, disse que o Vaticano estava investigando uma acusação contra ele relacionada ao abuso sexual de um menor na Alemanha, em 2004. 

Cox não pôde ser encontrado para comentar o assunto. Acredita-se que ele retornou à Alemanha depois de um período no Chile.

De acordo com a imprensa chilena, Órdenes, que renunciou como bispo de Iquique em 2012 quando estava sendo investigado pelo Vaticano, foi acusado, alguns anos atrás, de molestar um coroinha de 17 anos. 

Acredita-se que ele está vivendo em algum lugar no Chile. Não foi possível encontrá-lo imediatamente para um comentário. 

No mês passado, o papa Francisco excomungou o padre chileno Fernando Karadima, de 88 anos, que abusou sexualmente de adolescentes durante muitos anos e que está no centro de um escândalo mais amplo de abusos, que ainda está sendo investigado. 

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.