Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Papa Francisco chega para uma missa santa no Parque Simón Bolívar em Bogotá, na Colômbia 07/09/2017 REUTERS/Stefano Rellandini

(reuters_tickers)

Por Nelson Bocanegra e Helen Murphy

VILLAVICENCIO/BOGOTÁ, Colômbia (Reuters) - Milhares de vítimas da guerra de cinquenta anos da Colômbia buscarão benção, orientação e um caminho para o perdão do papa Francisco nesta sexta-feira, durante sua visita à região que, durante anos, tem sido conhecida como um epicentro de violência.

O papa argentino foi recebido de maneira entusiástica na Colômbia, uma nação de maioria católica romana, levando consigo uma mensagem de paz e união, à medida que tenta fortalecer a fé e curar feridas da guerra civil.

Na cidade de Villavicencio, Francisco realizará uma reunião de oração com 6 mil sobreviventes de um conflito brutal que deixou milhões marcados por sequestros, massacres, estupros, minas terrestres e remoções.

O papa também abençoará a Cruz da Reconciliação, um memorial para as vítimas, e ouvirá depoimentos pessoais daqueles que sofreram.

"Houve muito ódio e vingança. A solidão de sempre estar em divergência tem sido familiar há décadas, e o seu cheiro tem persistido por uma centena de anos", disse o líder dos 1,2 bilhão de católicos romanos do mundo na quinta-feira.

"Nós não queremos que qualquer tipo de violência restrinja ou destrua mais uma vida", acrescentou o pontífice, que adiou sua vista à Colômbia até que um acordo de paz entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) estivesse em vigor.

Colombianos tem sofrido com uma guerra entre paramilitares de direita, rebeldes marxistas, e forças do governo desde 1964. Mais de 220 mil pessoas morreram e outras milhões foram deslocadas à medida que a guerra se estendeu para cidades e comunidades rurais.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters