Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Papa Francisco em audiência no Vaticano. 8/2/2017. REUTERS/Tony Gentile

(reuters_tickers)

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco disse nesta quarta-feira que a sociedade não deve criar "muros, mas pontes" para incentivar boas relações entre as pessoas, acrescentando que é errado ser rancoroso e dizer que vai fazer o outro "pagar por isso".

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu construir um muro na fronteira com o México e fazer com que os mexicanos paguem por ele. O pontífice nascido na Argentina não mencionou Trump ou o muro especificamente em seus comentários.

Falando em sua audiência semanal, o papa falou sobre o chamado cristão "para não levantar muros, mas pontes, para não responder ao mal com o mal, para vencer o mal com o bem".

Em seguida, ele improvisou e acrescentou: "Um cristão nunca pode dizer 'eu vou fazer você pagar por isso!' Nunca, isso não é um gesto cristão. Uma ofensa é superada com perdão, vivendo em paz com todos".

No ano passado, ao responder um questionamento sobre o ponto de vista do então candidato Trump sobre a imigração e sua intenção de construir um muro na fronteira com o México, o papa Francisco disse que um homem com essas opiniões "não é cristão".

O papa disse em uma entrevista no mês passado que não iria formar uma opinião sobre Trump até que primeiro tivesse uma chance de ver as políticas específicas que o novo presidente dos EUA iria implementar.

Quando Trump tomou posse em 20 de janeiro, o papa enviou uma mensagem pedindo que ele fosse guiado por valores éticos, dizendo que deveria cuidar dos pobres e dos marginalizados durante seu tempo no governo.

(Por Philip Pullella)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters