Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco pediu neste sábado a uma delegação de líderes religiosos sul-coreanos que promovam a reconciliação e rechacem a violência e o medo, em meio à tensão na Península das Coreias.

    Representantes de diversas religiões se encontraram com o pontífice no Vaticano e ouviram um discurso no qual Francisco disse que eles deveriam começar a "arregaçar as mangas".

    "Líderes religiosos são chamados para iniciar, promover e acompanhar processos pelo bem-estar e pela reconciliação de todas as pessoas", disse o papa a uma delegação de 20 pessoas.

    "Somos chamados para sermos os arautos da paz, proclamando e incorporando um estilo não violento, um estilo de paz, com palavras claramente diferentes daquelas da narrativa do medo, e com gestos que se opõem à retórica do ódio."

    A rica e democrática Coreia do Sul está tecnicamente em guerra com a reclusa e pobre vizinha do Norte, que regularmente ameaça destruir o Sul e seu principal aliado, os Estados Unidos.

    Atos da Coreia do Norte aumentaram a tensão na região na semana passada, quando o país lançou um míssil balístico de médio alcance que sobrevoou o Japão e caiu no oceano Pacífico.

    Em resposta, os EUA e a Coreia do Sul concordaram em revisar um tratado que limita o desenvolvimento de mísseis balísticos, que o Sul quer usar para aumentar suas defesas.

    Alguns dos líderes que visitaram o papa, incluindo um budista, vestiam trajes religiosos. O Vaticano não disse quais outros credos estavam representados no encontro.

   Por Isla Binnie

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters