Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Reuters) - O papa Francisco disse neste sábado que um terceiro país deveria tentar mediar a situação entre a Coreia do Norte e Estados Unidos, e que a situação se tornou "muito quente" e o mundo corre o risco de uma guerra devastadora.

O papa disse acreditar que "uma boa parte da humanidade" seria destruída em qualquer guerra generalizada.

Falando a jornalistas a bordo do avião que o leva de volta do Cairo para o Vaticano, o papa disse estar pronto para encontrar com o presidente dos EUA, Donald Trump, quando o mandatário norte-americano estiver na Europa no próximo mês. Ele, contudo, disse não estar ciente de que Washington tenha solicitado um encontro.

Em resposta a uma pergunta sobre as tensões entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, Francisco disse que a Organização das Nações Unidas (ONU) deveria reafirmar a sua liderança na diplomacia mundial, porque se tornou "muito aguada".

"Eu chamo, e conclamo, todos os líderes, como já pedi a líderes de vários lugares, a trabalhar para encontrar uma solução para os problemas através do caminho da diplomacia", disse ele sobre a crise da Coreia do Norte.

O papa falou após a Coreia do Norte testar um míssil balístico neste sábado (horário local), pouco depois de o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, advertir que o fracasso em conter o programa nuclear e de mísseis balísticos de Pyongyang poderia levar a "conseqüências catastróficas".

"Há tantos facilitadores no mundo, existem mediadores que se oferecem, como a Noruega, por exemplo," disse ele na conversa que tem habitualmente com a imprensa ao fim de cada viagem.

"(Noruega) está sempre pronta para ajudar. É apenas um (país) mas há outros. Mas o caminho é o caminho da negociação, de uma solução diplomática", disse durante a conversa que durou cerca de 30 minutos.

A Noruega negociou secretamente um acordo entre Israel e os palestinos no início de 1990.

O papa expressou sua profunda preocupação com a crise norte-coreana. "Esta questão dos mísseis na Coreia (do Norte) está esquentando há mais de um ano, mas agora a situação parece que tornou-se demasiadamente quente."

"Nós estamos falando sobre o futuro da humanidade. Hoje, uma guerra generalizada destruiria --eu não diria que metade da humanidade - mas uma boa parte da humanidade e da cultura, tudo, tudo."

"Seria terrível. Eu não acredito que a humanidade seja hoje capaz de resistir a isso", acrescentou o pontífice.

Trump visitará a Sicília nos dias 26 e 27 maio para uma reunião dos chefes das nações mais ricas do mundo (G7). A Casa Branca ainda não disse se ele vai parar em Roma para encontrar o papa, o que seria uma omissão incomum para um chefe de Estado.

Perguntado se encontraria com Trump, o papa disse que ainda não tinha informações sobre um pedido de audiência de Washington, "Recebo todos os chefes de Estado que pedem uma audiência".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters