Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Kay Johnson

ISLAMABAD (Reuters) - O Paquistão adiou a visita de uma secretária de Estado assistente dos Estados Unidos, enquanto pequenos protestos se iniciaram contra as acusações do presidente Donald Trump de que Islamabad estaria prolongando a guerra no Afeganistão.

A ida de Alice Wells, atual secretária de Estado Assistente para Assuntos Asiáticos e Meridionais, que estava agendada para a próxima segunda-feira, seria a primeira visita de uma autoridade de alto escalão do governo norte-americano ao Paquistão após o discurso de Trump sobre sua política para o Afeganistão, feito em 21 de agosto.

“A pedido do governo do Paquistão, a viagem da atual secretária assistente Wells foi adiada até um momento mutuamente conveniente”, disse um porta-voz da embaixada dos EUA em Islamabad à Reuters, neste domingo.

O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão divulgou um comunicado similar. Nenhum dos lados deu uma razão para o adiamento, mas autoridades norte-americanas que trabalham no país asiático estão em alerta máximo desde o discurso da última segunda-feira.

Trump acusou o Paquistão de abrigar “agentes do caos” e fornecer refúgios seguros para grupos militantes que promovem uma insurgência contra o governo de Cabul, apoiado pelos EUA.

Autoridades paquistanesas responderam que os EUA não deviam tornar o Paquistão em “bode expiatório”, e acusaram os militares norte-americanos de fracassarem em eliminar refúgios de militantes no Afeganistão.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters