Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Patricia Zengerle

WASHINGTON (Reuters) - Parlamentares dos Estados Unidos propuseram sanções específicas e restrições de viagens sobre autoridades militares de Mianmar nesta quinta-feira, por conta do tratamento da minoria muçulmana rohingya do país, em um dos mais fortes esforços de Washington até o momento para intervir na crise humanitária.

Apresentada um dia antes do presidente republicano Donald Trump deixar os EUA para sua primeira viagem à Ásia, a legislação propõe a volta de algumas sanções suspensas no ano passado, a medida em que Mianmar voltava à democracia. A legislação também irá proibir os EUA de fornecerem mais assistência às forças militares do país até que autores de atrocidades contra a minoria rohingya sejam responsabilizados.

A medida não tem como alvo a líder de Mianmar, Aung San Suu Kyi, chefe do governo liderado por civis e vencedora do prêmio Nobel, que ainda usufrui de forte apoio entre algumas autoridades norte-americanas.

Mas assessores de congressistas disseram que a legislação tem objetivo de destacar um forte desejo entre muitos membros do Congresso de que Aung San Suu Kyi faça mais para ajudar os rohingya.

A legislação é patrocinada por vários parlamentares, incluindo o presidente do Comitê de Serviços Armados do Senado, John McCain, e o senador Ben Cardin, principal democrata do Comitê de Relações Internacionais do Senado.

"Este projeto de lei irá permitir que o Congresso fortaleça a mão do presidente ao deixar claro para autoridades de Mianmar que haverá consequências por seus crimes contra a humanidade", disse Cardin em comunicado.

Entre outras coisas, a legislação propõe novamente um banimento sobre jades e rubis de Mianmar e exige um relatório sobre quais indivíduos devem ser sujeitos a sanções, e instrui o Departamento do Tesouro dos EUA a não apoiar programas internacionais de assistência financeira que sejam parceiros de empresas possuídas pelas forças militares de Mianmar.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters