Reuters internacional

Por Richard Cowan e Susan Cornwell

WASHINGTON (Reuters) - Parlamentares dos Estados Unidos voltaram ao trabalho normal nesta quinta-feira e se prepararam para jogar a partida beneficente anual de beisebol, um dia após um homem que expressou ira contra o presidente Donald Trump abrir fogo contra parlamentares republicanos, deixando um deputado sênior em estado crítico.

O vice-presidente Mike Pence disse ter visitado na manhã desta quinta-feira o hospital em Washington onde Steve Scalise, republicano número 3 na Câmara dos Deputados dos EUA, estava sendo tratado por ferimentos em órgãos internos, ossos quebrados e uma hemorragia severa após ter sido baleado no quadril.

Scalise, de 51 anos, e três outros ficaram feridos quando um homem identificado como James Hodgkinson, de 66 anos e do subúrbio de Belleville, no Estado de Illinois, abriu fogo contra parlamentares republicanos em Alexandria, Virgínia, durante treino para a partida beneficente. Os outros feridos foram um policial, um assessor parlamentar e um lobista.

O jogo beneficente, no qual parlamentares republicanos iriam enfrentar seus colegas democratas, estava marcado para 19h05 (horário local) no Nationals Park, casa da quipe Washington Nationals, da Liga Principal de Beisebol dos EUA. Milhares de espectadores são esperados nas arquibancadas.

Representantes do hospital e de Scalise não deram atualizações sobre a condição do parlamentar na manhã desta quinta-feira.

Trump, após visitar o republicano de Louisiana no hospital, disse na quinta-feira que Scalise enfrenta um quadro muito difícil, "mas ele é um verdadeiro lutador”.

O atirador morreu após ter sido ferido em troca de tiros com a polícia. Ele possui um histórico de publicação nas redes sociais de mensagens raivosas contra Trump e outros republicanos.

O FBI está investigando o ataque, que levantou questões sobre a segurança dos parlamentares, renovou o controverso debate no país sobre armas e deu nova atenção à dura retórica que reflete as profundas divisões políticas nos EUA.

“Civilidade é de fato uma parte do governo civilizado e um sistema político aberto, e se você deixar estas forças irem embora você termina em uma posição muito ruim. E penso que o que aconteceu ontem foi sintoma disto”, disse nesta quinta-feira o deputado republicano Mark Sanford à MSNBC.

Após a troca de tiros, republicanos que estavam no treino voltaram ao Capitólio em uniformes esportivos e descreveram uma cena caótica tentando fugir dos tiros. A Câmara dos Deputados e o Senado voltaram aos trabalhos normais nesta quinta-feira.

Trump pediu união em comentários feitos na Casa Branca na quarta-feira, mas Sanford e outros parlamentares republicanos também destacaram a dura retórica do próprio presidente.

“Gostaria de ver o presidente ficar fora do Twitter”, disse o senador republicano John Thune à MSNBC, acrescentando que parlamentares tiveram que fazer a sua parte para minimizar os comentários e trabalhar com o partido opositor.

(Reportagem de Richard Cowan e Susan Cornwell; Reportagem adicional de David Morgan;

Reuters

 Reuters internacional